Recuperação da senha
Insira o seu e-mail cadastrado para receber instruções para recuperar o seu acesso.
×




Cadastre-se já na newsletter. Fique por dentro das notícias, cadastre-se agora na newsletter!

Matérias da Revista Ferroviária

Tramo Centro-Norte da FNS passa por remodelação

  05/01/2021
person RF
person RF
Tramo Centro-Norte da FNS passa por remodelação Foto: Gabriel Filho

A VLI está remodelando cerca de 250 km da Ferrovia Norte Sul, o que corresponde a pouco mais de 1/3 do total do malha, com extensão de 720 km entre Porto Nacional (TO) e Açailândia (MA). O trabalho, que consiste na troca de trilhos, teve início no segundo semestre de 2020 e até agora já foram concluídos cerca de 60 km. A finalização está prevista para 2022.

O investimento faz parte de um pacote de R$ 300 milhões destinado ao corredor da Norte-Sul, que incluiu também a compra de 247 novos vagões (todos modelo hopper HTT, encomendados à Greenbrier Maxion) e três locomotivas SD70 ACe, da Progress Rail. No total, 80 vagões e as três locomotivas já foram entregues em 2020. A conclusão da encomenda de vagões está prevista para o início deste ano.

Segundo a operadora, os aportes visam aumentar a capacidade e agilidade no escoamento dos grãos. As cargas saem do interior, passam pelos terminais de Porto Nacional e Palmeirante, em Tocantins, e seguem até Porto do Itaqui, em São Luís (MA).

Com a chegada do material rodante, o tramo Centro-Norte da FNS contará com mais de três mil vagões na frota, sendo o hopper o modelo mais utilizado. De 2015 para cá, a frota utilizada no trecho entre Tocantins e Maranhão mais do que quadruplicou, segundo a operadora.

Em 2019, a FNS movimentou 7,9 milhões de toneladas de grãos (milho, soja e farelo) - crescimento de 25% comparado ao ano anterior, quando foram transportados 6,3 milhões de toneladas. Somando os outros produtos (combustíveis, celuloses, ferro gusa, manganês etc.) a VLI transportou mais de 11 milhões de toneladas de produtos na região.

''O incremento da frota e as melhorias na linha elevam nossa disponibilidade, capacidade e a confiabilidade do trecho. Dessa maneira mantemos um sistema apto a contribuir cada vez mais com o escoamento de grãos pelo Arco Norte'', destaca Daniel Schaffazick, gerente-geral do Corredor Centro-Norte da VLI.