Login

 Cadastre-se
 
Siga a RF

 Notícias da Imprensa



« Voltar
   

TCE questiona contratação da CPTM e cobra novos trens na Linha 11-Coral

19/05/2017 - TCE SP

O Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCESP) concedeu prazo de 30 (trinta) dias para que a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e a Secretaria de Transportes Metropolitanos prestem esclarecimentos a respeito de possíveis irregularidades na contratação ajustada com a Alstom Brasil Energia e Transporte Ltda. para fornecimento de novos trens para funcionamento no trecho da Linha 11-Coral.

Segundo o relator do processo, Conselheiro Antonio Roque Citadini, as inúmeras prorrogações ocorridas na compra e instalação de novos trens no trecho, foram motivos centrais que levaram ao questionamento e a busca de esclarecimentos a respeito da licitação, contrato e termos aditivos formalizados. O despacho veiculou na edição de quarta-feira (17/5), no Caderno Legislativo do Diário Oficial do Estado.

A contratação, que tem como objeto o fornecimento de 9 (nove) trens com 8 (oito) carros cada, tipo ‘Gangway’, para modernização da Linha 11 é referente ao Projeto São Paulo, Trens e Sinalização, cujo financiamento é parcialmente feito por meio do Banco Mundial (BIRD). A aplicação dos recursos do BIRD é alvo de questionamento do relator que cobra da CPTM a prestação de contas dos valores destinados.

 

. Licitação

 

No despacho, o Conselheiro ainda questiona a escolha da contratada frente às demais concorrentes da licitação, cobra itens essenciais, como o projeto básico, planilhas de preços, quantidade e compatibilidade com os serviços prestados no mercado. Dentre outras, o decano do TCE ainda indaga a necessidade de contratação de outras empresas estrangeiras para prestação de serviços de gerenciamento e supervisão.

 

. Contrato

 

Sobre o contrato ajustado, Citadini atentou para a questão dos valores unitários de cada um dos 9 (nove) trens – inicialmente cotados em R$ R$ 33.620.789,32, perfazendo um total de R$ 334.850.762,38 – somados os valores de peças sobressalentes e simulador. O TCE ainda busca informações sobre a formalização de 5 (cinco) termos aditivos.

 

. Aditamentos

 

Citadini disse causar ‘estranheza a contagem de prazo feito pela contratante’. Os aditamentos – assinados entre os anos de 2013 e 2017 – aumentou os valores da contratação e prorrogou o prazo de vigência – inicialmente previsto para 30 (trinta) meses e que, após 4 (quatro) termos aditivos, foi estendido para 96 (noventa e seis) meses.

“A Lei de Licitações estabelece o prazo de 60 meses no caso de fornecimento de bens - não de compra. Em caso de obras a lei dá mais 12 meses, num total de 72 meses, em caso de obras, se justificada a prorrogação. Por que 96 meses?”, questionou Citadini que concedeu 30 (trinta) dias para que a Secretaria de Transportes Metropolitanos e a CPTM se manifestem e apresentem justificativas.

 

https://www4.tce.sp.gov.br/sites/tcesp/files/downloads/tc-040094-026-10_stm_x_cptm_x_alston.pdf



Para comentar ou arquivar notícia faça seu login no topo da página.


« Voltar


Receba nossa newsletter
As notícias veiculadas acima, na forma de clipping, são acompanhadas dos respectivos créditos quanto ao veículo e ao autor, não sendo de responsabilidade do site Revista Ferroviária.

 Notícias Relacionadas
Novos trens para Linha 10 da CPTM só em 2020
CPTM promete modernizar as quatro estações de Mogi
CPTM lança chat para passageiros e entrega novo trem



Quem somos  |  Fale Conosco  |  Links  |  Galeria de Fotos  |  Memória Ferroviária  |  Mapa do site
Sistema de gerenciamento de conteúdo
São Paulo, segunda-feira, 24 de julho de 2017
Todos os direitos reservados - © Revista Ferroviária