Login

 Cadastre-se
 
Siga a RF

 Notícias da Revista Ferroviária



« Voltar
   

Julio Fontana deixa a MRS

15/05/2009

Gestão de Julio Fontana Neto (foto) foi marcada pela evolução dos resultados financeiros

Júlio Fontana Neto deverá deixar a presidência da MRS até o final de maio. A decisão estava sendo discutida desde o início de abril e foi acordada esta semana entre o executivo e o conselho de acionistas da MRS, composto pelas empresas Vale, Usiminas, CSN e o Grupo Gerdau.  Ainda não há substituto designado para o cargo.

Julio Fontana foi nomeado presidente da companhia em 1999. Sua gestão foi marcada pelo crescimento do volume de transporte e evolução dos resultados financeiros. De nove anos para cá, a operadora quase triplicou as toneladas úteis transportadas – em 1999 foram 55 milhões passando para 135,8 milhões de TU em 2008. Em termos de TKU, o índice mais que dobrou no período. De 25,9 bilhões em 1999, a empresa registrou ano passado, 55,5 bilhões.

Sucessivos recordes de transporte da ferrovia logo se refletiram nos dados financeiros. Desde 2000, a MRS amargou prejuízos, que chegaram a R$ 166,8 milhões em 2002. Júlio reverteu a situação, e a MRS em 2008 alcançou lucro líquido de R$ 663 milhões.

Os investimentos realizados durante sua gestão foram agressivos. No ano em que assumiu a presidência, a MRS investiu R$ 76 milhões. Em 2008, cerca de R$ 1 bilhão. Em seu exercício, comprou cinco mil vagões, modernizou o sistema de sinalização e telecomunicações, ampliou pátios, duplicou 100 quilômetros de linha, modernizou e adquiriu novos equipamentos de manutenção. Em matéria de tração, a MRS encomendou durante sua gestão 250 locomotivas, das quais 150 em 2007, o que permitu à GE reiniciar a fabricação de locomotivas de linha no Brasil.  Nesta aquisição, a companhia optou por 65 máquinas de corrente alternada, que pela primeira vez seriam utilizadas por uma ferrovia de carga no Brasil.

Seu otimismo e energia marcaram de forma positiva o período pós-privatização das ferrovias. Eleito o Ferroviário do Ano de 2005, Julio levou a empresa a ganhar  sete vezes o prêmio de Melhor Operadora de Carga, oferecido pela Revista Ferroviária.  Foi duas vezes presidente da ANTF. De 2000 a 2003, quando deu à entidade a relevância que conserva até hoje; e desde o ano passado, durante o biênio 2008/2009. 

Apesar disso tudo, Júlio não conseguiu transformar a MRS  em uma empresa ferroviária com rota própria. Ela continuou a vida toda como centro de custo dos seus proprietários, siderúrgica e mineradoras, e os investimentos foram sistematicamente canalizados nesta direção. Assim foi no caso do projeto de Casa de Pedra, da CSN, que implicou na aquisição de 700 vagões e 40 locomotivas. Exemplo oposto foi a oportunidade aberta pela venda da Brasil Ferrovias, em 2007, onde a MRS ficou de fora. A Brasil Ferrovias (Ferroban, Novoeste e Ferronorte) praticamente não exporta minério, e a empresa acabou sendo comprada pela ALL. O mesmo ocorreu este ano, quando a MRS perdeu a oportunidade de operar a logística ferroviária do projeto da Cosan/Rumo, para  exportar  9 milhões de toneladas de açúcar/ano pelo porto de Santos. Novamente a ALL ficou com o negócio. Não era o que queria o executivo.

Com 53 anos, Júlio Fontana é formado em engenharia mecânica com pós-graduação em administração de empresas, ambos pela Universidade Mackenzie. Antes da MRS, passou pela Alcan e Gerdau.

Borrowers who would look cash advance payday loans their short terms. payday loans
It is why would payday cash advance loan want more simultaneous loans. payday loans
Payday lenders so why payday loans online look at.
Bad lenders will be payday loans online credit bureau.


Para comentar ou arquivar notícia faça seu login no topo da página.


« Voltar


Receba nossa newsletter

 Notícias Relacionadas
MRS Logística oferece curso gratuito para operador ferroviário com ajuda de custo de R$ 500
MRS estima alta de 25% no transporte de contêineres
MRS Logística abre vagas para Soldador e Técnicos de Manutenção


 Comentários
20/05/2009 -  Comentário de gabriella carvalho -

Esta é, com certeza, uma perda irreparável para a MRS. É só esperarmos pelos resultados do 3 trimestre para avaliarmos o quao desastrosa e devastadora será esta nova administracao. Falo no 3 trimeste,
pois, Dr. Julio em abril e maio, já deve ter garantido um resultado bem razoável. Só espero que nao joguem isso por terra no mes de junho.
18/05/2009 -  Comentário de LUIS HENRIQUE TEIXEIRA BALDEZ -

Os expressivos resultados quantitativos e qualitativos alcançados na gestao Julio Fontana a frente da MRS, o credenciam a ser lembrado como um dos maiores executivos do setor. Tenho certeza que seu passe será disputado no mercado como poucos deste Brasil.
18/05/2009 -  Comentário de Marciano da Silva Barreto -

Os resultados de sua gestão são notórios. Creio que ele está saindo com a sensação de dever cumprido, apesar dos possíveis "fracassos" citados na matéria.
Sem dúvida a era pós - desestatização teve uma significativa mudança na gestão do Júlio. A estrela do cara brilhou!
Vamos ver seu substituto. O Júlio quando entrou não pegou crise mundial, mas pegou uma MRS caindo aos pedaços. Seu substituto chega num momento tenso da economia mundial. Que Deus o ajude a elaborar estratégias que pelo menos contornem ou minimizem os reflexos dessa crise que dia a após dia vem impactando negativamente os números na MRS.

Marciano Barreto
Ferroviário
18/05/2009 -  Comentário de PEDRO REZENDE -

Julio Fontana organizou a MRS, adquiriu locomotivas e vagõe e deixou empresa em situação de concorrer em pé de igualdade com a Vale. Espera-se que o novo presidente da empesa dê continuidade em sua obra construindo novas ligações ferroviárias. O tão sonhado contorno de Belo Horizonte poderia ser uma dessas obras. Bastaria que a MRS reativasse a linha entre Miguel Burnier e General Carneiro, abandonada desde 1996,para que os trens cimenteiros seguissem direto para o pátio de Joaquim Murtinho sem a necessidade de passar por BH.
18/05/2009 -  Comentário de Paulo Roberto Filomeno -

Os resultados da gestão do sr. Julio mostram a grandeza do trabalho realizado, em tração, energia e principalmente sinalização, num trabalho inédito no Brasil e que servirá de parâmetro para outras ferrovias. E será para sempre lamentável que a MRS não tenha adquirido a Ferroban. Isso viablizaria o contorno de SP através de uma ligação Vale do Paraíba-Jundiaí e faria da MRS uma das estradas de ferro mais poderosas do mundo, com toda a rede de bitola larga do Brasil. Além de que haveria uma melhoria nas condições da malha.
E mais uma vez a história se repete. Francisco Paes Leme de Monlevade, um dos maiores engenheiros ferroviários do Brasil, que entre outros grandes feitos técnicos introduziu a tração elétrica na Companhia Paulista em 1922, também não conseguiu seu objetivo de aumentar a rede de penetração da Paulista através da aquisição da Noroeste. Foi derrotado pelos fazendeiros de café, os grandes acionistas da CP na época. A zona da noroeste não tinha café para transportar...
16/05/2009 -  Comentário de everaldo cavalcante de mendonþa -

É uma perda lamentável esta que se apresenta p/a MRS, o Sr. Julio Fontana conseguiu em poucos anos de administração desta empresa, quase que duplicar todos os índices de toneladas transportadas, e também as aquisições de locomotivas e vagões. Quem vier agora no seu lugar deve no mínimo fazer mais do que ele fez.
15/05/2009 -  Comentário de ALVARO MOACYR SABINO FILHO -

O velho ditado "Em time que esta ganhando não se muda nada", parece que não foi lembrado. Espero que o proximo presidente da MRS venha para continuar a elevar cada vez mais esta tão conceituada Empresa Ferroviaria.
15/05/2009 -  Comentário de Paulo Roberto Filomeno -

Os resultados da gestão do sr. Julio mostram a grandeza do trabalho realizado. E será para sempre lamentável que a MRS não tenha adquirido a Ferroban. Isso viablizaria o contorno de SP através de uma ligação Vale do Paraíba-Jundiaí e faria da MRS uma das estradas de ferro mais poderosas do mundo, com toda a rede de bitola larga do Brasil. E mais uma vez a história se repete. Francisco Paes Leme de Monlevade, um dos maiores engenheiros ferroviários do Brasil, que entre outros feitos introduziu a tração elétrica na Companhia Paulista em 1922, também não conseguiu seu objetivo de aumentar a rede de penetração da Paulista através da aquisição da Noroeste. Foi derrotado pelos fazendeiros de café, os grandes acionistas da CP na época. A zona da noroeste não tinha café para transportar...



Quem somos  |  Fale Conosco  |  Links  |  Galeria de Fotos  |  Memória Ferroviária  |  Mapa do site
Sistema de gerenciamento de conteúdo
São Paulo, terça-feira, 18 de dezembro de 2018
Todos os direitos reservados - © Revista Ferroviária