Login

 Cadastre-se
 
Siga a RF

 Notícias da Revista Ferroviária



« Voltar
   

Parcerias entre ferrovias e startups vêm dando frutos

08/10/2018 - Revista Ferroviária

Não é de hoje que as ferrovias de carga têm se aproximado de startups para a busca de soluções criativas e inovadoras, que reduzem custos e otimizam processos. O fato é que essas parcerias já vêm dando frutos. A Rumo, por exemplo, acabou de anunciar junto com a 4vants, de Curitiba (PR), testes para o uso de software de inteligência artificial na inspeção de trilhos e de faixa de domínio. Já a VLI aposta suas fichas no programa Inova VLI, para estar em contato direto com empresas de tecnologia.

Nos chamados testes de aero inspeção feitos pela Rumo com a startup, uma locomotiva percorreu um trecho de 55 km entre a Serra do Mar (PR) e a Serra de Santos (SP) com uma câmera acoplada, cujo sistema gerou um banco de imagens capaz de detectar a localização, a quantidade e o tipo de possíveis anomalias na via. A tecnologia permite identificar situações recorrentes na operação ferroviária, como bolsões, excessos de lastros, vegetações nos trilhos e invasões. A operadora e a startup elaboraram uma POC (Prova de Conceito) – um teste junto com a concessionária para que seja estabelecido um contrato.

“A câmera na locomotiva vai filmando as áreas que estão à sua frente. Desenvolvemos um algoritmo de inteligência artificial que fica instalado em um servidor dentro da locomotiva e que faz o processamento interno destas imagens”, explica o fundador e CEO da 4vants Michel Sehn.

Sehn diz que o sistema possui como vantagens a velocidade e a detecção em tempo real. “Enquanto uma equipe de quatro rondantes faz em média 80 km/semana, a quantidade de captura no nosso sistema depende exclusivamente da locomotiva, ou seja, pode ser de 300km, 400 km/semana”, exemplifica.

Em nota, o diretor de Tecnologia da Rumo, Rubio Potzmann, afirma que as provas de conceito são elaboradas para testar e encontrar soluções rápidas de baixa e média complexidade que contribuam para a segurança da operação. “Neste processo, as startups cumprem papel essencial com o dinamismo e a disposição em propor algo totalmente diferente do que foi tentado até então”, explica.

A parceria entre as empresas foi negociada no Distrito Spark CWB, espaço de inovação em Curitiba liderado pela Rumo e outras companhias brasileiras, que incentiva a troca de experiências com startups, especialistas e instituições de ensino e pesquisa.

Após os testes nas provas de conceito, a próxima fase do projeto consiste em estudar novas aplicações da tecnologia para ela que possa ser integrada em toda a operação, explorando o potencial de análise computacional a partir das imagens capturadas por drones e câmeras fixas.

O CEO da 4vants disse que a empresa vem estreitando laços com o setor ferroviário. Este ano, participou do programa Inova VLI, que seleciona startups interessadas em criar soluções para as principais áreas da operadora, e também já iniciou contato com a MRS. “Estamos prospectando outras concessionárias”.

A startup produz ainda inspeções realizadas por meio de drones. “Para nós, o que interessa é a imagem que estamos recebendo e não o sistema de captura. O sistema é o mesmo, tanto para o drone como para a câmera acoplada”.

 

VLI

A VLI vem investindo na aproximação com startups. No fim de julho, a operadora aprimorou o site do programa Inova VLI (www.inovavli.com.br). Por meio do portal, os usuários podem navegar por Eventos (divulgação de encontros, workshops e palestras abertas ao público externo), Desafios (divulgação dos programas/desafios abertos e inscrição das startups) e Blog (divulgação de notícias).

“Queremos manter um canal aberto com organizações, startups, empreendedores que também estão pensando em soluções inovadoras para negócios. Entendemos que essa conexão é capaz de potencializar os resultados de cada um”, destaca Daniel Novo, gerente geral de Transformação Digital e Inovação.

No início de outubro, a VLI abriu inscrições para uma maratona de criação de soluções para problemas previamente definidos, também conhecida como hackathon. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas até o dia 28 por meio do site www.hackatonvli.com.br. O anúncio dos selecionados vai acontecer no dia 5 de novembro.

O desafio está relacionado à gestão das informações e indicadores que a VLI coleta ao longo de quase 8 mil km de ferrovias. As soluções vão utilizar a amostra de dados fornecida durante a competição e devem ser desenvolvidas utilizando a nuvem da Microsoft Azure.



Para comentar ou arquivar notícia faça seu login no topo da página.


« Voltar


Receba nossa newsletter

 Notícias Relacionadas
Transportadoras e empresas que operam ferrovias investem em Inteligência Artificial
Ferrovias da Vale estão na mira do Ministério da Fazenda
Fazenda dá pareceres contrários à renovação de ferrovias da Vale



Quem somos  |  Fale Conosco  |  Links  |  Galeria de Fotos  |  Memória Ferroviária  |  Mapa do site
Sistema de gerenciamento de conteúdo
São Paulo, sexta-feira, 14 de dezembro de 2018
Todos os direitos reservados - © Revista Ferroviária