Login

 Cadastre-se
 
Siga a RF

 Notícias da Imprensa



« Voltar
   

Câmbio e preços em alta favorecem setor de celulose

16/05/2018 - Valor Econômico

Os produtores brasileiros de celulose e papel têm vivido momento bastante positivo em bolsa. Além da sustentação dos preços da celulose de fibra curta em trajetória de alta, com margem para novos reajustes no curto prazo, a valorização acelerada do dólar impulsionou essas ações nas últimas sessões da B3.

Nesta terça-feira, os papéis ON de Suzano Papel e Celulose subiram 1,64%, cotadas a R$ 45,99, enquanto as units de Klabin avançaram 3,93%, para R$ 21,95. Os papéis de Fibria, que agora oscilam em função dos termos de pagamento propostos pela Suzano, com algum desconto, tiveram alta de 0,42%, para R$ 71,19.

Relatório do BTG Pactual, com elevação do preço-alvo para Suzano e Klabin e melhora de recomendação para a última, também contribuiu para os ganhos no dia.

Como a maior parte da celulose de mercado produzida no país é exportada, essas companhias têm receita maior em reais com a desvalorização cambial. Por outro lado, se a variação da moeda dentro do trimestre for muito grande, o resultado financeiro é prejudicado por causa da exposição da dívida ao dólar.

Desde o início do ano, as ações da Suzano exibem ganhos de mais de 140%, refletindo também o acordo para compra da Fibria, que deve ser sacramentada entre o fim deste ano e o início de 2019. Somente no dia em que a transação foi anunciada, 16 de março, os papéis da Suzano ganharam quase 22%. Já os de Fibria têm alta acumulada no ano de quase 49% e as units de Klabin, de mais de 20%.

O BTG melhorou suas projeções para os preços da celulose de fibra curta, diante da demanda firme no mercado global, baixo nível dos estoques, paradas de fábricas no curto prazo, maior diferença de preços (spread) entre fibra longa e curta e ausência de nova oferta de matéria-prima nos próximos dois ou três anos. Para 2018 e 2019, o banco trabalha agora com preços de referência de US$ 780 a US$ 800 por tonelada na Ásia, frente a US$ 690 a US$ 710 por tonelada anteriormente. Em 2020, a previsão é de cotação a US$ 765 por tonelada, comparável a US$ 740 originalmente.

Em nova edição do relatório "Pulp Pulse", os analistas Leonardo Correa e Gerard Roure destacaram que não há sinais de correção iminente dos preços, com margem para mais um reajuste entre junho e julho. Em relação ao câmbio, os analistas do BTG assumiram uma taxa estável de R$ 3,50 por dólar em todo o período considerado para as estimativas, frente a R$ 3,10 a R$ 3,20 anteriormente.

Para Suzano, que tem recomendação de compra e é a favorita da instituição financeira no setor, o preço-alvo foi elevado em 34,9%, a R$ 58 por ON. Para Klabin, o banco elevou a recomendação para compra, de neutra, e o preço-alvo das units subiu de R$ 22 para R$ 26. No caso da Fibria, escreveram os analistas, as ações passaram a equivaler a um investimento de renda fixa após a transação com a Suzano, mas seguem "excessivamente descontadas" no mercado, 4,4% abaixo do valor teórico (baseado nos termos da negociação com a Suzano).

O acordo entre as companhias, na avaliação do BTG, é transformador para o setor de celulose, garantindo maior poder de precificação e uma potencial disciplina de oferta "sem precendentes" para a indústria. "Recomendamos maior exposição por meio de Suzano, companhia que agora mostra o melhor perfil de fluxo de caixa livre", escreveram.

Para Klabin, os analistas veem melhora dos fundamentos, o que leva a uma visão mais positiva para as units. O banco avalia em R$ 15 a R$ 16 por unit o valor do negócio de papel, o que implica em avaliação de R$ 5 a R$ 6 por unit pelo mercado para a área de celulose. "Acreditamos que isso desvaloriza materialmente os ativos de celulose dado o novo câmbio", escreveram.

 

- Fonte: http://www.valor.com.br/empresas/5527481/cambio-e-precos-em-alta-favorecem-setor-de-celulose




Para comentar ou arquivar notícia faça seu login no topo da página.


« Voltar


Receba nossa newsletter

 Notícias Relacionadas
Setor ferroviário movimenta 122,4 milhões de toneladas no primeiro trimestre
Metrô de Salvador puxa expansão do setor metroferroviário
Celulose fechou ciclo, diz Votorantim



Quem somos  |  Fale Conosco  |  Links  |  Galeria de Fotos  |  Memória Ferroviária  |  Mapa do site
Sistema de gerenciamento de conteúdo
São Paulo, domingo, 20 de maio de 2018
Todos os direitos reservados - © Revista Ferroviária