Login

 Cadastre-se
 
Siga a RF

 Notícias da Revista Ferroviária



« Voltar
   

Alerta do MPF sobre repactuação das concessões de transporte não desanima o setor

22/09/2017 - Revista Ferroviária

O alerta do Ministério Público Federal (MPF) para a Agência Nacional de Transportes Ferroviários (ANTT) não promover novos aditivos de antecipação e prolongamento das atuais concessões no setor passou longe de tirar o entusiasmo da maioria dos envolvidos nesse segmento econômico.

O fomento do Governo Federal para a geração de investimentos no País através da ampliação da malha ferrovia tem sido alvo de processos judiciais e ainda carece de suportes legais. Os questionamentos são sobre a ausência de um marco regulatório nacional, de indicadores de produtividade e segurança, de regras claras para a quitação de débitos, do respeito à livre concorrência, entre outros.

Entretanto, o aviso à ANTT para esperar um parecer favorável do Tribunal de Contas da União (TCU) já era esperado. E estão em curso diversas iniciativas conjuntas do poder público – executivo e legislativo -, de entidades e empresas ligadas ao transporte de cargas e de passageiros, além de consultas à sociedade civil com vistas ao atendimento de todos os procedimentos necessários.

“Nossa visão é de que é preciso acelerar o ritmo e retomar as obras. Isso tem que ser um plano de Estado, ultrapassando governos ou gestões, independentemente do humor político do País. O Ministério Público Federal fez uma recomendação e só faltava a ANTT assinar algo sem respeitar a posição do TCU”, destacou o presidente da Associação dos Engenheiros e Arquitetos do Metrô de São Paulo, Pedro Armante Machado, usando de ironia.

A manifestação positiva dos atuais concessionários em fazer novas linhas, como contrapartida da renovação antecipada dos contratos, bem como a ausência de potenciais interessados em disputa estaduais, causou euforia no setor.

 “A Lei nº 13.448/2017 trouxe novas regras e elas conferem maior segurança jurídica para todo o setor, além de instrumentos que permitirão a realização de expressivos - e muito necessários - investimentos. Só assim, com a prorrogações antecipadas dos contratos de concessão, será possível viabilizar a ampliação da capacidade de nossas ferrovias e a eliminação gradual dos gargalos logísticos, gargalos esses que ainda reduzem a competitividade do nosso modal e impactam o Custo Brasil”, comentou Fernando Paes, diretor-executivo da Associação Nacional do Transportes Ferroviários (ANTF).

O aumento da malha e da eficiência dos transportes sobre trilhos, com a redução dos custos logísticos, e a elaboração de critérios técnicos/financeiros, entre outros fatores, justificam a mobilização, dizem as lideranças do segmento. A posição que é reforçada por instituições respeitadas ligadas ao desenvolvimento econômico do País.

“Houve tempo atrás um debate sobre a prorrogação da concessão da Ponte Rio-Niterói, mas notou-se que não era vantajoso. Na licitação houve deságio de mais de 200%. Na área ferroviária é o contrário. Há um leque quase unânime para a vantajosidade (sic). Há viabilidade para se confirmar”, declarou Luis Felipe Valerim Pinheiro, diretor-adjunto da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP).

 

Leia também: PPI prevê leilão de ferrovia, Lotex, blocos do pré-sal e hidrelétricas



Para comentar ou arquivar notícia faça seu login no topo da página.


« Voltar


Receba nossa newsletter

 Notícias Relacionadas
TCU impede licitação para consultoria de novas ferrovias
TCU rejeita pedido para barrar aditivos com base no Decreto dos Portos
ANTT rejeita incluir expansão de ferrovia em Mato Grosso em contrato de renovação da malha paulista



Quem somos  |  Fale Conosco  |  Links  |  Galeria de Fotos  |  Memória Ferroviária  |  Mapa do site
Sistema de gerenciamento de conteúdo
São Paulo, terça-feira, 23 de janeiro de 2018
Todos os direitos reservados - © Revista Ferroviária