Login

 Cadastre-se
 
Siga a RF

 Notícias da Imprensa



« Voltar
   

Ex-subsecretário admite ter recebido dinheiro de corrupção na Linha 4 do Metrô do Rio

12/09/2017 - G1

Em depoimentos prestados ao juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, nesta terça-feira (12), três acusados no processo da Operação Tolypeutes - que apura corrupção nas obras de construção da Linha 4 do Metrô - admitiram ter ficado com recursos ilícitos, mas alegaram não saber a origem do dinheiro.

Foram ouvidos nesta terça Luiz Carlos Velloso, ex-subsecretário estadual de Transportes, a mulher dele, Renata Loureiro Borges Monteiro, e o irmão, Juscelino Gil Velloso. Luiz Carlos, que ocupou o cargo na gestão do ex-governador Sérgio Cabral, era subordinado na secretaria de Transportes a Júlio Lopes, atualmente deputado federal.

O ex-subsecretário afirmou ao magistrado que recebeu dinheiro em quatro ocasiões, dos quais ficou com cerca de R$ 100 mil, gastos em despesas pessoais e na compra de um carro. Velloso disse ainda que não solicitou propinas, apenas ficou com parte do dinheiro. A mulher e o irmão de Velloso disseram que não sabiam da origem ilícita dos recursos.

Ao fim da audiência, Marcelo Bretas acatou pedido da defesa e converteu a prisão preventiva de Luiz Carlos Velloso em domiciliar. O juiz concordou com a argumentação dos advogados, de que o acusado está colaborando com o processo e, portanto, não haveria necessidade de mantê-lo em regime fechado.

Na operação Tolypeutes, desdobramento da Lava Jato e deflagrada em 14 de março, foram presos Velloso e o diretor da Companhia de Transportes sobre Trilhos do Estado do Rio de Janeiro (RioTrilhos), Heitor Lopes de Sousa Junior. De acordo com executivos da Carioca Engenharia, uma das responsáveis pela obra, as empreiteiras pagavam propina em troca de contratos bilionários no governo estadual.

As obras da Linha 4 custaram cerca de R$ 10 bilhões e a inauguração foi pouco antes da Olimpíada do Rio. O trajeto liga Ipanema, na Zona Sul, à Barra da Tijuca, na Zona Oeste. Além da Carioca Engenharia, outras duas grandes contrutoras formavam o Consórcio Rio Barra, responsável por parte da obra: a Odebrecht e a Queiroz Galvão.

Na decisão que determinou a prisão, o juiz da 7ª Vara Criminal Federal, Marcelo Bretas, diz que "chama atenção" o fato de a obra, que foi originalmente orçada em R$ 880,079 milhões, em 1998, ter chegado a um valor final de R$ 9,643 bilhões.

 

Leia também: Passageiros enfrentam intervalos irregulares na Linha 4 do metrô

Linha 3-Vermelha do Metrô e 7-Rubi da CPTM têm atrasos nesta quarta



Para comentar ou arquivar notícia faça seu login no topo da página.


« Voltar


Receba nossa newsletter

 Notícias Relacionadas
CCR entra na disputa pela Invepar, dona de Metrô do Rio e Guarulhos
Obra da Linha 4 do metrô está parada e abandonada e manutenção do 'Tatuzão' chega a R$ 3 milhões por mês
Fraudes no metrô do Rio custaram R$ 3 bilhões aos cofres estaduais



Quem somos  |  Fale Conosco  |  Links  |  Galeria de Fotos  |  Memória Ferroviária  |  Mapa do site
Sistema de gerenciamento de conteúdo
São Paulo, domingo, 19 de novembro de 2017
Todos os direitos reservados - © Revista Ferroviária