Login

 Cadastre-se
 
Siga a RF

 Notícias da Imprensa



« Voltar
   

VLT do Mato Grosso está cheio de irregularidades que causam prejuízos à população, dizem MPE e MPF

15/07/2017 - Diário do Transporte

O Ministério Público do Estado de Mato Grosso e o Ministério Público Federal concluíram um extenso relatório que aponta diversas irregularidades envolvendo o VLT – Veículo Leve sobre Trilhos entre Cuiabá e Várzea Grande.

A ligação era prevista em contrato de 2012 da Secretaria da Copa do Mundo – Secopa e deveria estar pronta já no início de 2014.

Inicialmente a proposta era de um BRT, corredor de ônibus, que foi trocada por VLT, causando desconfiança por parte dos promotores.

Prazos, majoração de valores e desconsideração de uma auditoria contratada por quase R$ 4 milhões para retomada das obras do Veículo Leve sobre Trilhos estão entre algumas irregularidades apontadas pelos procuradores e promotores.

O MPF concluiu que houve um acréscimo de 26,43% em relação ao que a auditoria da KPMG apontou como necessário para concluir a obra e que houve distorção dos valores finais apresentados pela empresa de consultoria.

Os procuradores e promotores sugerem que o Estado de Mato Grosso e o Consórcio VLT desconsideram as recomendações da consultoria quanto a prazos, valores e métodos para retomada das obras.

Faltam em torno de 30% das obras para que finalmente o sistema de VLT possa operar entre Cuiabá e Várzea Grande.

O prazo proposto de 24 meses para esta conclusão por parte do Governo do Estado também é contestado pelo Ministério Público Federal e Ministério Público Estadual.

A KPMG sugeriu um prazo de 19 meses, entretanto, os procuradores veem possibilidade de o consórcio pedir reequilíbrio do contrato, deixando as obras ainda mais caras.

O Ministério Público Federal e o Ministério Público Estadual também constataram uma majoração indevida de R$ 174,4 milhões no preço do VLT e não acolheram as argumentações do Estado e do Consórcio VLT de que houve erro aritmético.

O procurador Vinícius Alexandre Fortes de Barros e o promotor André Luiz Almeida por fim, em relatório assinado no dia 13 de julho de 2017 disseram que aceitam nova proposta do VLT, Entretanto, antes devem ser corrigidas estas e outras irregularidades apontadas pela auditoria dos órgãos.

O Governo do Estado e o Consórcio VLT ainda podem responder às fundamentações do MPF e MPE.

Já foi gasto mais de R$ 1,2 bilhão no modal, desde o projeto.



Para comentar ou arquivar notícia faça seu login no topo da página.


« Voltar


Receba nossa newsletter

 Notícias Relacionadas
MPF investiga leilão do Tecon Santos, em 1997
MPF emite alerta sobre concessões
MPF investiga denúncia de formação de cartel no setor de cabotagem



Quem somos  |  Fale Conosco  |  Links  |  Galeria de Fotos  |  Memória Ferroviária  |  Mapa do site
Sistema de gerenciamento de conteúdo
São Paulo, sábado, 23 de setembro de 2017
Todos os direitos reservados - © Revista Ferroviária