Recuperação da senha
Insira o seu e-mail cadastrado para receber instruções para recuperar o seu acesso.
×




Cadastre-se já na newsletter. Fique por dentro das notícias, cadastre-se agora na newsletter!
Últimas Notícias

Em apenas 10 minutos

  27/10/2020
person O Diário (Mogi das Cruzes)
person O Diário (Mogi das Cruzes)
Imagem indisponível

Entre os principais e mais fortes argumentos para a ampliação do trens para atender passageiros entre as estações Estudantes e Engenheiro César de Souza estão a economia, o escoamento do trãnsito e, sobretudo, a qualidade de vida do morador que poderá contar com um 'metrô de superfície" com cinco paradas para o embarque e desembarque dentro do município. Não agora na pandemia, mas antes dela, moradores e trabalhadores de César e localidades próximas chegavam a gastar até 20, 30 minutos para sair de casa e chegar à região central em dias de movimento mais carregado ou de muita chuva.

Se o dia fosse complicado pela manhã e à tarde, são 40, 50 minutos gastos para se cumprir um trajeto que, de trem, levaria 10 minutos. Fora a qualidade de vida para o cidadão, o transporte ferroviário impacta na mobilidade urbana, além de reduzir exponencialmente a emissão do gás carbônico. Esses e outros argumentos foram reunidos em nossa primeira edição de final de semana, em uma reportagem especial sobre uma bandeira abraçada por este jornal, desde a década passada. César de Souza ganhará, nos próximos anos, cerca de 20 mil novos moradores, além de novos postos de trabalho no comércio, na indústria, que serão preenchidos por pessoas que residem nas proximidades, mas também em outros bairros e cidades. Diante da inviabilidade técnica e financeira apresentada por técnicos da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos, bom lembrar que durante anos, a mesma CPTM insistia que o Expresso Leste não poderia chegar a Mogi. Bastaram a pressão popular e a vontade política do ex-governador José Serra para que os trens mais rápidos atendessem os mogianos. A quem pensa que o trem até César é sonho, insistimos: é uma necessidade.  O trânsito mogiano não suporta mais tantos carros. A integração entre trem, ônibus e bicicleta é resposta contra o colapso visto nos principais corredores viários da cidade. Mais carros nas ruas significam mais estresse, perdas econômicas no escoamento de produtos e para a prestação de serviços, e do tempo gasto pelo cidadão com as viagens dentro do próprio município. A conta é simples: em 10 minutos o trem leva o morador de César ao centro.

Fonte: https://www.odiariodemogi.com.br/editorial/em-apenas-10...