Recuperação da senha
Insira o seu e-mail cadastrado para receber instruções para recuperar o seu acesso.
×




Cadastre-se já na newsletter. Fique por dentro das notícias, cadastre-se agora na newsletter!
Últimas Notícias

Presidente da Raízen vai comandar o grupo Cosan

  22/01/2020
person Valor Econômico
person Valor Econômico
Presidente da Raízen vai comandar o grupo Cosan Foto: Silvia Costanti/Valor

É o fim de um ciclo na Cosan. Ciclo que durou uma década, marcada pelo processo de profissionalização da gestão do grupo. Essa é a principal mensagem por trás do anúncio de mudanças de nomes no alto comando, divulgado ontem pela manhã. Sem uma declaração explícita da parte dos acionistas da companhia, a justificativa na troca de comandante do grupo, um dos maiores do país, é que chegou o momento de fazer a fila andar. Ou seja, abrir caminho para renovação de lideranças, com prata da casa assumindo posições à frente da Cosan e da Raízen, vice-líder na distribuição de combustíveis no país.

Aos 50 anos, completados no fim de dezembro, e dez à frente da companhia, Marcos Marinho Lutz deixa a presidência da Cosan a partir de 1º de abril. Para seu lugar foi alçado Luis Henrique Guimarães, atual presidente da Raízen S.A. - joint venture 50% a 50% com a anglo-holandesa Shell, desdobrada em Raízen Combustíveis e Raízen Energia. As mudanças aprovadas pelo conselho de administração foram sugeridas pelo comitê de pessoas da Cosan.

Lutz não deixa o grupo, onde ingressou em 2007, após anos de carreira na área de logística da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN). O executivo vai se dedicar exclusivamente aos conselhos e comitês da Cosan, apoiando nas decisões estratégicas e na preservação da cultura corporativa, conforme comunicado. Ele será vice-presidente dos conselhos de Rumo (ferrovia e porto), Moove (lubrificantes) e Comgás (gás canalizado), além de presidente do comitê de pessoas e do recém-criado comitê estratégico de logística, lubrificantes e gás, cuidando da estratégia e crescimento desses três negócios.

No grupo, o executivo esteve envolvido nas aquisições e consolidações de negócios - por exemplo da antiga ALL (concessionária de ferrovias, que foi incorporada pela Rumo em 2015). Lutz renuncia à presidência do conselho da Raízen, posição que passa a ser ocupada por Luis Henrique.

Durante sua gestão, Lutz comandou um ciclo rico em experiências, criação de valor para acionistas, funcionários e a sociedade em geral, disse uma fonte da companhia. Informou que o foco, agora, é fazer a transição funcionar bem. Nesse período, a mudança de açúcar e etanol para infraestrutura foi importante, ao mesmo tempo que trabalhou na redução de riscos e na expansão da geração de resultado operacional (Ebitda).

A escolha do presidente da Raízen para o alto comando da Cosan, segundo informações, está alinhada a importantes decisões que serão tomadas futuramente. Entre elas, a disputa, em parceria, pela compra de uma, ou mais, refinaria de petróleo da Petrobras, integrando o negócio de distribuição de combustíveis da Raízen. A empresa já opera assim na Argentina. Outro alvo de crescimento da Cosan é o setor de gás, negócio em que a empresa enxerga oportunidades de expansão.

Guimarães tem no currículo passagens em negócios da Cosan. Assumiu o comando da Raízen em 2016, depois de ter presidido a Comgás de 2013 a 2015. Antes, exerceu diversos cargos executivos no grupo Shell, dentro e fora do Brasil, por mais de 20 anos.

Na avaliação de analistas do BTG Pactual, em relatório, a escolha de Guimarães para o lugar de Lutz foi uma decisão corajosa e positiva, que mostra o plano da Cosan de crescer nos mercados de combustível e gás natural (armazenamento e transporte). Embora inesperada, vemos esta mudança com uma alta dose de otimismo. Acreditamos que demonstra a robusta cultura administrativa da Cosan e a bem-sucedida profissionalização do grupo, implementada ao longo da última década, dizem os analistas do BTG.

Na Raízen, para o lugar de Guimarães, o conselho aprovou o nome de Ricardo Dell Aquila Mussa, que atualmente é vice-presidente de executivo de logística, distribuição e trading da companhia. O executivo começou no grupo em 2007. Durante esse período, assumiu a presidência, primeiramente da Radar, e a seguir da Moove (antiga Cosan Lubrificantes).

Outra mudança anunciada no grupo foi a sucessão do vice-presidente jurídico, Marcelo de Souza Scarcela Portela, deixa o cargo no início de abril. Ele será substituído pela atual diretora jurídica, Maria Rita de Carvalho Drummond, atuando na empresa há mais de dez anos. Portela, que assessora o grupo há mais de 30 anos, vai permanecer nos conselhos das empresas da Cosan.

Comandado pelo empresário Rubens Ometto, tendo como origem usinas de açúcar, o grupo Cosan tem negócios que vão da produção de etanol e do varejo de combustíveis a logística ferroviária e portuária, distribuição de gás e produção de lubrificantes. Em 2018, teve receita consolidada de R$ 59,68 bilhões, com Ebitda de R$ 5,1 bilhões, conforme o anuário Valor 1000. Foi classificada a sexta maior companhia do país, em receita, atrás de Petrobras, JBS, Vale, da própria Raízen (R$ 103 bilhões) e da Ultrapar. (Colaboraram Rita Azevedo e Ivan Ryngelblum, de São Paulo)

Fonte: https://valor.globo.com/empresas/noticia/2020/01/22/pre...