Recuperação da senha
Insira o seu e-mail cadastrado para receber instruções para recuperar o seu acesso.
×




Cadastre-se já na newsletter. Fique por dentro das notícias, cadastre-se agora na newsletter!
Últimas Notícias

Brasil passa a controlar mais de 50% da exportação de soja

  13/08/2019
person Valor Econômico
person Valor Econômico
Brasil passa a controlar mais de 50% da exportação de soja

As disputas comerciais entre Estados Unidos e China, que ainda não têm hora marcada para terminar, abriram espaço para o aumento da participação brasileira nas exportações mundiais de soja em grão na safra internacional 2018/19, que terminará neste mês, e deverão manter em alta o protagonismo do país nesse mercado na próxima temporada. O cenário foi confirmado por novas estimativas para oferta e demanda de grãos divulgadas ontem pelo Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) - que atestaram, ainda, a consolidação do Brasil como um grande fornecedor global de milho.

De acordo com o USDA, os embarques brasileiros de soja alcançarão 76,9 milhões de toneladas no ciclo que chegará ao fim este ano, ou 51,8% do total (148,3 milhões). Em 2017/18, segundo o órgão, foram 76,2 milhões de toneladas, ou 49,8% de um volume que totalizou 153,1 milhões de toneladas. A queda do total é puxada pela China, cujas importações cairão de 94,1 milhões de toneladas, em 2017/18, para 83 milhões em 2018/19 - 56,3% do total global -, e vitimarão os EUA, cuja fatia nas exportações recuará de 37,9% para 31,2% na mesma comparação.

Para a safra 2019/20, o quadro não deverá mudar muito. Embalado por uma colheita que o USDA projeta em 123 milhões de toneladas, 6 milhões a mais do que em 2018/19 e equivalente a 35,4% do total projetado para o mundo, o Brasil deverá exportar, segundo o órgão, 76,5 milhões de toneladas, ou 50,6% de um total de 149,2 milhões. Com a renovação da tensão entre Washington e Pequim, os EUA, cuja colheita deverá cair 19%, para 100,2 milhões de toneladas, deverão exportar 48,3 milhões, ou 31,9% do total - Argentina e Paraguai tendem a ganhar pequenas fatias no comércio, e a China deverá importar 2 milhões de toneladas a mais (cerca de 85 milhões).

Se prevalecer o preço médio das exportações de soja em grão do Brasil em julho (US$ 356,6), os embarques previstos pelo USDA para o país em 2019/20 renderão US$ 27,3 bilhões. No Hemisfério Norte, a colheita de grãos da safra 2019/20 começará a ganhar força em setembro, ao passo que no Hemisfério Sul é o plantio da nova temporada que terá início no mês que vem. Ainda não há projeções oficiais no Brasil sobre as tendências para a semeadura, mas analistas preveem novo aumento, sobretudo pelo fortalecimento da "parceria" com a China - que, em mais um round da briga com os EUA, orientou recentemente suas estatais a não comprarem produtos agrícolas americanos.

Além de confirmar a consolidação do Brasil na liderança das exportações mundiais de soja em grão, o levantamento publicado ontem pelo USDA também apontou que o país está se firmando como um importante fornecedor de milho. Nas contas do órgão, a safra 2018/19 vai terminar com os embarques do país em 34 milhões de toneladas, ou 21% do total - em 2017/18, com 25,1 milhões de toneladas, a fatia brasileira foi de 16,9%. Embora produza muito menos que os EUA (101 milhões de toneladas, contra 366,3 milhões), o Brasil, sem problemas climáticos, tem condições de apresentar um excedente exportável expressivo, o que deverá se repetir no ciclo 2019/20.

De acordo com os dados divulgados ontem pelo USDA, que ainda não levam em consideração estimativas concretas de plantio, o Brasil repetirá na próxima temporada o volume de produção e de exportações. Se confirmado o horizonte, o país vai se manter como o segundo maior exportador de milho do mundo, com cerca de 20% do total e, mais uma vez, atrás apenas dos americanos.

Fonte: https://www.valor.com.br/agro/6388041/brasil-passa-cont...